Após ter sido veiculada uma reportagem na TV aberta sobre o uso medicinal do ozônio, se espalharam de forma bastante equivocada, informações sobre a ozonioterapia. Gostaria de proporcionar as informações de forma clara, para que toda população possa conhecer melhor a verdade.

A ozonioterapia nada mais é que o uso do ozônio como medicamento ativo no tratamento de variadas doenças. O ozônio é uma molécula formada por três átomos de oxigênio.

Essa terapia vem sendo cada vez mais estudada com intuito de auxiliar em tratamentos de feridas extensas, infecções fúngicas, bacterianas e virais, lesões isquêmicas (o ozônio tem por característica aumentar a oxigenação tecidual e consequentemente o metabolismo) e várias outras afecções, tendo se mostrado muito eficaz na maioria dos casos, principalmente na atuação na desinfecção e cicatrização de feridas extensas.

 As afirmações que estão sendo passadas, são que a ozonioterapia não tem comprovação científica, que não existe estudo duplo-cego placebo controlado. E que é proibido seu uso na medicina veterinária. Além de chamarem os profissionais que utilizam a técnica de charlatões.

Então vamos saber a verdade:

1- Há diversos trabalhos científicos publicados comprovando a eficácia da técnica em diversos casos, inclusive diversos estudos duplo-cego placebo controlados. Como exemplo, podemos citar a pubmed (biblioteca do governo norte americano), a qual possui mais de 3000 trabalhos de qualidade.

2- O CFMV e CRMV estaduais não proíbem a ozonioterapia, e não há nada em contrário emitido oficialmente. O código de ética autoriza aos médicos veterinários fazerem uso de técnicas que julgarem necessárias ao tratamento do animal desde que embasadas em literatura.

3- A prática já é regulamentada pelos conselhos de odontologia (resolução CFO 166\2015) e de enfermagem (parecer no 388\2015). Em março de 2018, o Ministério da Saúde incluiu o procedimento na lista de Práticas Integrativas e Complementares (PICS) aprovadas para o SUS. Um projeto que regulamenta a Ozonioterapia como medicina complementar no Brasil já foi aprovado no Senado e está em tramitação na Câmara dos Deputados.

4- Dentre os profissionais que utilizam a técnica, temos professores universitários, pós-graduandos, clínicos com muitos anos de experiência na clínica médica, os quais se qualificaram com cursos de aperfeiçoamento na técnica em questão.

O que está acontecendo com a ozonioterapia é o mesmo que aconteceu por muito tempo com a acupuntura, a qual foi dramaticamente combatida pela “medicina conservadora” e com o apoio da indústria de medicamentos, é claro.

Atualmente, esta terapia é reconhecida pelo sistema de saúde de muitos países, como Alemanha, França, Itália, Rússia, Austrália, Suíça, Polônia, Ucrânia, Egito, Grécia, Cuba, e em 15 estados dos Estados Unidos. Nos países onde essa terapia é reconhecida houve redução do uso de antibióticos e analgésicos.

 A ozonioterapia não promete curas milagrosas, não promete curar o câncer e AIDS, não é contra a quimioterapia e nem repudia seu uso. Mas sim, a técnica pode ser complementar aos tratamentos convencionais, tendo como principal objetivo melhorar a qualidade de vida do paciente.

Para concluir, a ozonioterapia é uma modalidade terapêutica auxiliar aos métodos convencionais, possui baixo custo e fácil aplicação, características que justificam o incentivo da sua utilização na rotina do médico veterinário.

Thais Frantz Velasco
Médica Veterinária Crmv-RS 6581 
Professora do CPEA no curso de auxiliar de veterinário, com aperfeiçoamento em ozonioterapia